29.6.08

Férias repartidas

Chegam as férias e as famílias monoparentais dividem o tempo de descanso pelo pai, pela mãe, pelos avós, pelos tios e tias. No meu caso, só decidimos agora como vai ser e sem obrigações de datas fixas. Infelizmente, nem todos terão esta situação de acordo amigável e as crianças sujeitam-se às vontades e disponibilidades dos adultos. Acima de tudo, aproveitem o Verão que aí vem para reforçar laços, aproximarem-se dos vossos filhos e descansar.

25.6.08

Subsídios sociais maternidade, paternidade e adopção

O Decreto foi publicado hoje. A partir de agora, toda(o)s terão direito ao subsídio mesmo que estejam desempregada(o)s.

22.6.08

272,50€

Foi quanto angariámos na venda! Agora já podemos registar a MONO e continuar o projecto. Obrigada a todas e todos os que contribuíram com roupas e com o seu tempo para esta causa! A quem não pôde estar presente: haverá mais oportunidades, sabemos como é difícil ter tempo e independência para participar nestas causas. Agora já sabem, vão guardando a roupa para a próxima venda e com tempo chegaremos lá. Guardem e recolham o que puderem, depois havemos de nos organizar melhor e angariar muitos mais fundos para a MONO!

16.6.08

Dia 21 está quase!

O dia da venda de roupa a favor da MONO é já no Sábado. Esta semana é preciso recolher todas as roupas, por isso, peço que quem puder entregue na loja Trocas & Baldrocas (Murtal-Parede) e quem quiser entregar-me pessoalmente contacte-me para o email. Para os atrasados, apareçam no sábado e levem o que tiverem que havemos de nos arranjar... Obrigada a todos!

14.6.08

Precisamos de pensar seriamente nestes casos

Criança presenciou o pai matar mãe à facada 02h00m Susana Otão Jornal de Notícias Um homem, de 46 anos, esfaqueou até à morte, na Rinchoa (Sintra), a mulher, de 41, defronte do filho menor. A vítima tinha pedido o divórcio há cerca de um mês, mas o marido não aceitou e acabou por matá-la. Gonçalo, de apenas 10 anos de idade, assistiu à morte da mãe, infligida pelo próprio pai que, com uma faca, a golpeou várias vezes no tórax, nas costas e no peito. A criança apercebeu-se da violência da discussão entre os progenitores e os gritos da mãe levaram-no a chamar o irmão mais velho, que dormia num dos quartos do 6º direito, do nº 28 da Rua Casal da Serra, na Rinchoa. Quando chegaram à cozinha, era tarde demais e a mãe já se encontrava ensanguentada no chão. As tentativas de reanimação realizadas pelo INEM revelaram-se infrutíferas e o homicida acabou por ser detido pouco depois, ainda em casa, sem qualquer resistência. Foi ouvido no tribunal de Sintra e ficou em prisão preventiva. O menor foi de imediato acompanhado por uma equipa de psicólogos e, por agora, ficará a cargo do irmão mais velho e de um tio. Ontem, o dia era de pesar na casa da família Leitão e, no prédio onde viviam, os vizinhos não escondiam a consternação. Ao JN, o irmão da vítima, Albino Alves, lamentou a atitude do cunhado, que já havia sido operado três vezes devido a um tumor. "Não lhe tenho raiva. Sofro, porque não vou voltar a ver a minha irmã e os meus sobrinhos ficam sem mãe", disse Albino Alves, entre lágrimas. O irmão da vítima confidenciou que a sua irmã tinha pedido o divórcio ao marido, mas que ele não tinha aceite bem a ideia. "Ela queria o divórcio porque ele bebia muito e ela estava infeliz. Já há muito tempo que discutiam e ontem ele voltou a beber e depois de outra discussão aconteceu aquilo", relatou, para deixar um apelo: "Espero que todas as mulheres vejam este exemplo. Quando pensarem em pedir o divórcio aos seus maridos aconselho-as a saírem logo de casa sob pena de virem a ser mortas como a minha irmã". O filho mais velho do casal, Ruben, de 20 anos preferiu não falar ao JN. Visivelmente agastado, tentava arrumar a casa, ainda com marcas da ocorrência do crime, e tentava organizar o lar para ele e os irmãos menores. "Calma", apelavam os vizinhos que ia tocando à sua porta para o reconfortar. Ruben acenava em jeito de agradecimento mas muito triste. Lilia Marcinschi vive há dois anos no apartamento do lado. Abalada, disse apenas que o homicida "era uma pessoa normal, apesar de beber muito". Quanto à vítima, emoção no lamento: "Era uma boa mãe".

13.6.08

Fórum de discussão

O Fórum está aberto a partir de hoje! Podem falar de tudo com todos. Registem-se!

2ª reunião MONO

Este sábado vamo-nos encontrar novamente! Objectivos:
Juntar o grupo Definir os estatutos da futura associação Organizar a venda de dia 21 de Junho Organizar a presença nas "Barrigas de Amor", dia 6 de Julho
Estão todos(as) convidados(as)! Apareçam na Trocas e Baldrocas (ver endereço abaixo) por volta das 19h ou antes se vos der mais jeito.

9.6.08

Complemento do Abono de Família nos Açores

O Governo Regional dos Açores decidiu dar um complemento ao Abono de Família em todos os escalões. No primeiro escalão, o complemento é de 12 euros e nos outros depende dos rendimentos apresentados. Estão de parabéns os governantes açoreanos mas... e há sempre um "mas":
Então nos Açores é possível decidir um aumento para todos os seis escalões e no Continente o aumento é só para os dois primeiros escalões??? Parece-me injusto e anti-constitucional. Nós somos do mesmo país, devemos ter os mesmos direitos.

6.6.08

Domingo dia 8 Junho reunião da Associação

Caras Amigas e Amigos, Preciso saber ao certo quem vem no Domingo á primeira reunião da Associação de Familias Mono Parentais? Vamos conviver, ver as peças que já foram angariadas para a venda, por isso MENINAS e MENINOS, TOCA A JUNTAR OS ARTIGOS QUE QUEREM DOAR PARA A VENDA, e tragam SÁBADO. Assim domingo já poderemos separar e preparar a venda. Vamos tambem conversar sobre a associação, estipular responsabilidades, organizar eventos possiveis, etc etc. Podem trazer os filhotes caso não consigam alguém para ficar com eles, mas teremos que nos revezar para cuidar. Sempre consegui uma sala grande na Sociedade do Murtal aqui ao lado da loja. O ponto de encontro é na loja ás 18h45 no Domingo. Confirmem-me por telefone ou email ou pessoalmente até amanhã. Beijos Cláudia Emails: familiasmonoparentais@gmail.com familiamonoparental@gmail.com Tel: 21 453 45 07 / 93 840 01 36 Rua Cláudio Lagrange, nº 369 2775-082 Parede - Murtal

3.6.08

1ºs passos da MONO

No dia 8 de Junho, este Domingo, vamos ter a primeira reunião. Para nos conhecermos, para levar as roupas para a venda e para conhecer um psicólogo que vai colaborar com a MONO. No dia 14, Sábado, teremos segunda reunião. Esta é já para organizar tudo para a venda! Não se esqueçam de promovê-la entre os vossos contactos! A MONO-Famílias Monoparentais Online vai promover uma venda de roupa de criança em segunda mão no dia 21 de Junho (Sábado). Cada peça terá o preço simbólico de 1€.
Peço-vos duas coisas: se tiverem roupa e sapatos que iriam oferecer, ficaremos muito satisfeitas de a vender nesse dia e, se quiserem comprar coisas boas e bem conservadas, apareçam! Pedimos a ajuda dos voluntários para vender (confirmem se podem).
A roupa pode ser entregue directamente a mim em Algés(enviem email a combinar) ou na loja Trocas e Baldrocas, até ao dia anterior:
Trocas e Baldrocas Rua Cláudio Lagrange Parede - Murtal (ESTORIL) tels. 21 453 45 07 ou 93 840 01 36 Até breve!

1.6.08

O divórcio é um dos acontecimentos mais traumáticos da vida

Clique no link para ler mais sobre este assunto num estudo da Universidade do Minho. Os autores dizem que o processo de divórcio começa muito antes da separação, é um processo emocional de conflito, a mulher é na maioria dos casos quem toma a decisão, trata da papelada e num terço dos casos tem uma nova relação. Quanto à guarda dos filhos, a mãe é dominante. As visitas do pai são semanais ou mensais e mais de 40% não paga a pensão de alimentos. Aliás, é nestes casos que o conflito permanece e as relações entre os ex-cônjuges se deterioram. A falta de apoio económico é tida como factor de fragilidade emocional e social. Mesmo assim, após a separação, 80% das mulheres consideram-se mais felizes. Dá que pensar...